sábado, 2 de agosto de 2008

1968 É proibido proibir...





1968 - É Proibido Proibir...

Dona de um temperamento forte, ela muitas vezes se calou para ouvir, e acrescentar em sua vida, argumentos que poderiam se encaixar em sua luta natural de sobrevivência.
Não como uma pessoa natural e com necessidades simples, de apenas comedores de arroz e feijão, mas de uma busca intensa em preencher e acalmar esta alma sedenta por arte, cultura, e sim uma pitada de política.
Muitas vezes considerada a ovelha negra, por buscas malucas, como todo artista...
Amigos, vocês sabem a fama de um artista... Muitas vezes considerados lunáticos, sonhadores, uns coitados.
Este ano 1968, marcado por lutas estudantis, garra perseguição...
Foram tantas lutas, muito se ganhou, mas aqueles jovens eram diferentes, sem medo de conquistar.
Mas a luta não foi em vão.
Estranho, 40 anos e agora não somos presos por idéias que afrontam o governo, e hoje fazemos muito pouco.
Ela nasceu nesta bagunça toda...
Ela ainda se sente prisioneira, prisioneira de si mesma.
Não é medo.
Não, ela é guerreira!
Quebrou muitas barreiras.
Amou intensamente e foi amada.
Amor de mulher de 20 anos.
Ela de 1968, ele de 1968.
Mesmo ano, mesma paixão, conquistas, liberdade!
A paixão é o motivo de sua existência...
Ela não tem um livro colorido...
Não impõe seu estilo...
Ela vive intensamente.
Sente a necessidade de colocar em prática suas pesquisas.
Há uma cobrança em dar explicações.
A arte hoje precisa ser falada, não só vista. Isso a incomoda.
Tem propostas que são tão íntimas.
Ela diz:
Leiam!
Rasguem os livros, exercitem-se.
Não temos que copiar nada!
Não temos obrigação de saber tudo!
Trilhamos caminhos diferentes.
Meu movimento depende do meu saber, e é diferente do seu.
Faça o seu movimento.
Não tão exagerado como Mao.
Mas que seja um movimento eficaz.
Temos tantas teorias... E muitas vezes não agimos.
Espera...
2008.1968.
40 anos.
1968.2008.
Esperar...
Esta é a prisão!


Silêncio Absoluto!




O livro vermelho do presidente Mao
Um do trechos do livro dizia: "O pó se acumula se um quarto não é limpo com frequência, nossas faces ficam imundas se não forem lavadas com freqüência. A mente de nossos camaradas e o trabalho de nosso partido também pode ficar empoeirados e também precisam ser varridos e lavados. O provérbio 'a água corrente nunca fica choca e os vermes nunca roem uma dobradiça' significa que o movimento constante impede a contaminação pelos germes e outros organismos".

Simone Leite Gava

5 comentários:

undervalued stocks disse...

very cool.

Gustavo Fialho disse...

Adorei, como já te disse, vc tem bastante sensibilidade para escrever

Bjos

jhamiltonbrito..blogspot.com disse...

Oi amiga. Aqui vc fala do silêncio.Um grito do silêncio, silêncio absoluto ainda se suporta; mas silêncio de abandono, de desprêzo machuca um tanto...naqueles, quase não há questionamentos mas nestes, há sempre um por quê?...e quase sempre um por quê cuja resposta é ingrata e a ingratidão não grita somente, ela esperneia, a danada.abraço

jhamiltonbrito..blogspot.com disse...

Ve é culpada por eu estar sempre presente aqui, gosto de ler teus textos e pensar respeito. Neste, no qual vc fala daqueles tempos...nós nunca fomos e jamais seremos puros comedores de arroz e feijão, fomos protagonistas de uma das mais belas páginas da nossa história.Cada um em seu reduto, levamos a bandeira do inconformismo e o desejo d mudança.Estranho dizer, mas fomos e somos herois, fizemos parte daquela cavalaria ligeira.Nunca seremos prisioneiros de nós mesmos pois abrimos as portas do nosso eu, mostramos sem pudor nossos amores e nossas dores para quem quizer olhar, somos trasnparentes e nossa arte e feita de forma simples , límpida.Há sim, sempre um contexto querendo nos aprisionar mas nao o permitimos...eu sou livre, você é livre e nossas dores não nos incomoda. O diabo são os nossos amores...estes, azar deles, não sabem o que perdem

Patrícia Bracale disse...

A vida é relação.
Ação é vida.
Caridade é Amor em ação.
Ame e apaixone-se...
Ouça a pulsação do seu coração!!!